Para onde o Yahoo! quase vai agora?

Do you Yahoo!? Este foi o bordão que mais me marcou no início da revolução ponto-com. O Yahoo! era precursora deste mercado e a única já capitalizada para fazer propagandas de TV.
Mas, talvez este marco tenha ficado apenas na história, pois ninguém pode ao certo dizer para onde vai o Yahoo!

Após várias quase-revira-voltas neste ano – incluindo uma quase compra pela Microsoft, uma quase parceria com o Google, uma quase fusão com a AOL, alguns lançamentos de produtos quase novos como o Yahoo! Web Analytics e até um quase patrocínio de eclipse – a empresa parece agora sem um rumo definido, sem um posicionamento único para a empresa.

Analisando os dados da comScore, podemos obsevar que desde agosto o Yahoo! perdeu a segunda posição em buscas para o You Tube (empresa do Google), deixando o Google Corp. cada vez mais folgado na liderança de busca de todos os tipos na web. Veja os dados publicados sobre o ranking dos buscadores expandidos dos EUA:

fonte: comScore.com

Enquanto isso, a situação se complica também na cúpula administrativa da empresa, culminando na retirada do fundador Jerry Yang da presidencia da Yahoo! Movimento inevitável desde que começaram as diferenças entre o fundador e os acionistas da empresa, após Yang boicotar a proposta de compra da empresa pela Microsoft a US$ 33,00 por ação – atualmente os papéis estão cotados a US$ 10,63.

A empresa também anunciou um corte de 10% em sua força de trabalho mundial. Mas, o que está realemente claro é que a empresa inovadora que criou modelos como os negócios de Portais, de serviços gratúitos, de buscadores e de marketing online, dentre outros, precisa voltar a inovar e se recriar! Não fazê-lo significa correr o risco de se tornar apenas uma sombra de sua versão melhorada e ampliada – o Google.

Anúncios

Vídeos Online – nova forma de mídia

Não, não vou escrever sobre vídeos. Na verdade, resolvi produzir um!

Assita abaixo, em dez minutos, com telas e demonstrações, minha rápida visão sobre esta nova mídia que aumenta o controle na mão do consumidor.

principais referências:
www.youtube.com
www.hulu.com
terratv.terra.com.br
www.survivetheoutbreak.com 

Espero que tenha gostado deste novo formato.
Deixe um comentário pf para eu saber se faço mais vídeos ou se volto sempre ao post tradicional.

A Web 2.0 poderia ter mudado a história

Normalmente, a história se repete e os cases se sucedem… Mas, recentemente, o novo cenário resultou num final diferente para a mesma situação.

Estou falando do caso clássico do lançamento da New Coke em 1985, com a retirada do mercado da Coca-Cola tradicional. Isso gerou tanta insatisfação nos consumidores mais fiéis que a empresa teve que reverter sua estratégia, após 3 meses de prejuízo, e foi obrigada a gastar bastante dinheiro para reverter a imagem e lançar a Coca Classic (com a fórmula antiga). Esta situação gerou a queda do então presidente da empresa.

Como as pessoas (e executivos) parecem sempre repetir erros passados, recentemente a Nestlé do Brasil lançou o Nescau 2.0, retirando o sabor tradicional das prateleiras após mais de 70 anos. Tudo indicava para a repetição do erro da Coca, mas desta vez a tecnologia a favor da inteligência salvou a empresa do prejuízo.

comunidade do orkut sobre nescau tradicional

Acontece que atualmente a empresa monitorando a mídia social, como o Orkut e os Blogs, pôde observar em tempo real a reação dos seus consumidores. Ao observar que milhares de consumidores do produto se organizaram em comunidades como “Queremos o Nescau tradicional” e “Volta, Nescau Tradicional” reclamando da ausência do produto “tradicional”, a empresa voltou atrás em sua estratégia e também manterá os dois produtos convivendo em paralelo.

Desta vez, graças as ferramentas colaborativas, a mudança de estratégia foi tomada antes de impactos a imagem da marca e antes de um executivo perder o seu emprego! Parabéns a Nestlé que soube utilizar bem a onda 2.0 da Internet. Inclusive comunicando em primeira mão às comunidades online sobre a volta do produto.

Lançamento do Google Chrome

Mais uma matéria em primeira mão no blog foi publicada na Folha de São Paulo!

O Google lançou o Chrome, o navegador de internet que vai concorrer diretamente com o Internet Explorer, da Microsoft. A disputa já começou e o Google ganhou terreno no Brasil. Apenas na estréia, o Chrome já é o terceiro navegador mais utilizado, conquistando 1,12% da preferência dos internautas brasileiros.
O Chrome ultrapassou o Safari, da Apple, que agora detém 0,81% do mercado brasileiro, e o Opera, que tem 0,20%. O Internet Explorer é líder, com 87,88%, seguido do Firefox, da Mozilla, com 9,98%.
É o que revela um levantamento que será divulgado hoje pela Predicta, empresa que monitora praticamente todos os acessos na internet brasileira.
Ao contrário do Internet Explorer, o Chrome utiliza uma plataforma de programação aberta.

Vejam mais detalhes sobre estes dados.

Fim do monopólio entre os navegadores

O monopólio da Microsoft no segmento de navegadores pode estar chegando ao fim. Seu principal concorrente, o Firefox continua crescendo mês a mês e a entrada do Google nessa briga deve acelerar esse processo.

Enquanto a utilização do Mozilla saltou de 6% em janeiro para 8,5% em agosto, o Internet Explorer acumula esse ano uma queda de 2.61 pontos percentuais, segundo dados apurados pela Predicta, consultoria especializada na análise do comportamento de navegação dos internautas brasileiros. Adicionalmente, hoje o Google lançou a primeira (e ótima) versão do seu navegador: o Google Chrome.

Segundo Fred Pacheco, gerente de Business Intelligence da consultoria, outros negócios da Microsoft podem ser afetados. “Essa queda tem impacto direto no multimilionário mercado de buscadores, já que o padrão do IE é o Live Search da Microsoft, contra o Firefox e o Chrome, que usam o Google.” afirma o executivo. “Considerando o poder de penetração do Google no mundo online, o cenário desse mercado promete mudar radicalmente nos próximos meses”, complementa Fred.

Até julho apenas 34% dos usuários de Firefox utilizavam a versão 3.0, no mês de agosto esse número saltou para 44%. Enquanto isso, a Microsoft promete a nova versão do IE para o final do ano. A Apple correndo por fora também vem conquistando mercado no Brasil, passando de 0,56% em janeiro para 0,88% em agosto, com acessos pelo Safari.

Para se chegar a esse resultado a equipe de inteligência da Predicta, que foi considerada pela WAA (Web Analytics Association) a melhor consultoria de Web Analytics das Américas, analisou todos os dados gerados pelo Predicta Atmosphere, ferramenta de observa o comportamento de navegação usuários de internet por meio de métricas de audiência e que consegue identificar o sistema operacional pelo qual o visitante está acessando os sites dos clientes da Predicta. “Se considerarmos um período de 30 dias, podemos dizer que mais de 98% dos internautas brasileiros foram expostos a uma das ferramentas da Predicta.”, finaliza o executivo.

O fim da era dos cliques

Vamos tirar os botões do mouse? Ainda não… Mas, em breve deveremos tirá-los do planejamento e das métricas de campanhas online.

O antigo e ultrapassado % CTR (taxa de cliques) mede apenas quantas vezes um peça foi clicada a cada cem exibições. Mas, não mostra se este usuário realmente chegou ao website, esperou o mesmo carregar, navegou no conteúdo ou, o mais importante, realizou uma compra ou conversão.

As empresas precisam saber mais! Precisam saber a eficiência da campanha até sua ponta final, para acompanhar os diferentes indicadores: custo de impressão da peça, custo por usuário impactado, custo por visita no site e custo de aquisição de um cliente, entre outros.
Qual é o mais importante? Depende do objetivo de cada campanha.

Se uma campanha tem objetivo institucional ou de comunicação de uma mensagem simples, novos formatos de publicidade interativa já podem fazer todo o trabalho de comunicação da campanha, sem necessitar de cliques ou visitas a websites. E, neste caso, o mais importante é medir quantas interações ocorreram com a peça. Tecnologias como widgets podem inclusive realizar operações no próprio ambiente do Portal, como encontrar a loja física mais próxima do trabalho.

O CTR ainda tem seu valor para demonstrar o interesse em uma determinada peça ou linha criativa, mas deve ser visto com ressalvas, pois fica fácil aumentar o índice de cliques colocando um mulher nua no banner; mas, o que o cliente encontrará após o clique? Cumprirá a promessa criada na mente do usuário? Será um conteúdo ou produto relevante a mensagem do banner, de forma a gerar consumo?

Adicionalmente, estamos na era do pouco tempo e falta de paciência. Assim, o ideal é já oferecer ao usuário o conteúdo que ele necessita na apresentação da peça! Poupe o tempo do usuário, ofereça uma mensagem direta e muito alinhada ao conteúdo que ele encontrará após o clique. Aproveite o momento que o usuário está interagindo, ainda que fora do seu site, em um Portal por exemplo, para comunicar o que é necessário.

Novos formatos de richmedia ajudam bastante neste aspecto, possibilitando convidar o usuário a uma interação com pouco espaço ocupado e quando demonstra seu interesse a peça entregará a informação relevante. Por exemplo, uma oferta de consórcio da Ford que permita ao cliente interagir definindo até quando pode esperar pelo carro, para visualizar as informações personalizadas a esta decisão. Se continuar interessado, aí poderá clicar e ser direcionado para a contratação em uma página específica para os parâmetros selecionados pelo visitante.

No futuro, é possível que se reduza também a importância do clique dentro do site visitado. Hoje ainda se considera muito o número de páginas por visita ou o número de cliques. Mas, isto é realmente relevante? Não é mais interessante medir a efetiva interação do usuário com os conteúdos? Por exemplo, páginas de vídeo onde não basta saber se o cliente chegou, mas se este interagiu assistindo o vídeo até o fim ou pasando-o ou pulando-o ou maximizando-o.

O mesmo vale para outros conteúdo. Veja um excelente conteúdo experimental de site que interage inteiramente sem cliques – o projeto DON’T CLICK IT. Esta é na verdade a forma natural das pessoas; não viemos com botões nas pontas dos dedos, estamos acostumados a interagir tocando ou arrastando. É melhor já ter o resultado da interação sem precisar clicar e aguardar – fazer o usuário clicar é cada vez mais difícil; estamos desconfiados.

Esta é a razão pela qual o iPhone faz tanto sucesso: interage através dos toques dos dedos com gestos como arrastar, ao invés de clicar em uma seta para o lado.

Quer navegar quanto?

Não é novidade que a Classe C ganha corpo na Internet brasileira e já se apresenta como boa oportunidade (vide campanhas online até de Casas Bahia). Mas, o Terra publicou uma recente pesquisa no Estadão mostrando que em algumas regiões isso não é uma tendência, é uma realidade!No entanto é importante lembrar que a pesquisa foi feita apenas em três regiões metropolitanas do Brasil (São Paulo, Recife e Porto Alegre), portanto não deve ser considerada com retrato da realidade de todo o país.

Highlights:

  • 49,4% dos jovens da classe C das três capitais possuem acesso à rede mundial em casa
  • não existem diferenças significativas entre classes, para o consumo de conteúdo, entretenimento e redes sociais
  • 77,2% dos jovens de classe C com internet residencial têm acesso de banda larga (+100 kbps)
  • a pesquisa apontou um temor maior da classe C em usar o cartão de crédito na internet do que nos consumidores de maior renda
  • o jovem de classe C acessa bastante a internet para fazer pesquisa de preços (49,2%)

Clique aqui para ver a matéria completa.