A Web 2.0 poderia ter mudado a história

Normalmente, a história se repete e os cases se sucedem… Mas, recentemente, o novo cenário resultou num final diferente para a mesma situação.

Estou falando do caso clássico do lançamento da New Coke em 1985, com a retirada do mercado da Coca-Cola tradicional. Isso gerou tanta insatisfação nos consumidores mais fiéis que a empresa teve que reverter sua estratégia, após 3 meses de prejuízo, e foi obrigada a gastar bastante dinheiro para reverter a imagem e lançar a Coca Classic (com a fórmula antiga). Esta situação gerou a queda do então presidente da empresa.

Como as pessoas (e executivos) parecem sempre repetir erros passados, recentemente a Nestlé do Brasil lançou o Nescau 2.0, retirando o sabor tradicional das prateleiras após mais de 70 anos. Tudo indicava para a repetição do erro da Coca, mas desta vez a tecnologia a favor da inteligência salvou a empresa do prejuízo.

comunidade do orkut sobre nescau tradicional

Acontece que atualmente a empresa monitorando a mídia social, como o Orkut e os Blogs, pôde observar em tempo real a reação dos seus consumidores. Ao observar que milhares de consumidores do produto se organizaram em comunidades como “Queremos o Nescau tradicional” e “Volta, Nescau Tradicional” reclamando da ausência do produto “tradicional”, a empresa voltou atrás em sua estratégia e também manterá os dois produtos convivendo em paralelo.

Desta vez, graças as ferramentas colaborativas, a mudança de estratégia foi tomada antes de impactos a imagem da marca e antes de um executivo perder o seu emprego! Parabéns a Nestlé que soube utilizar bem a onda 2.0 da Internet. Inclusive comunicando em primeira mão às comunidades online sobre a volta do produto.

Anúncios

A Web 2.0 poderia ter mudado a história

Normalmente, a história se repete e os cases se sucedem… Mas, recentemente, o novo cenário resultou num final diferente para a mesma situação.

Estou falando do caso clássico do lançamento da New Coke em 1985, com a retirada do mercado da Coca-Cola tradicional. Isso gerou tanta insatisfação nos consumidores mais fiéis que a empresa teve que reverter sua estratégia, após 3 meses de prejuízo, e foi obrigada a gastar bastante dinheiro para reverter a imagem e lançar a Coca Classic (com a fórmula antiga). Esta situação gerou a queda do então presidente da empresa.

Como as pessoas (e executivos) parecem sempre repetir erros passados, recentemente a Nestlé do Brasil lançou o Nescau 2.0, retirando o sabor tradicional das prateleiras após mais de 70 anos. Tudo indicava para a repetição do erro da Coca, mas desta vez a tecnologia a favor da inteligência salvou a empresa do prejuízo.

comunidade do orkut sobre nescau tradicional

Acontece que atualmente a empresa monitorando a mídia social, como o Orkut e os Blogs, pôde observar em tempo real a reação dos seus consumidores. Ao observar que milhares de consumidores do produto se organizaram em comunidades como “Queremos o Nescau tradicional” e “Volta, Nescau Tradicional” reclamando da ausência do produto “tradicional”, a empresa voltou atrás em sua estratégia e também manterá os dois produtos convivendo em paralelo.

Desta vez, graças as ferramentas colaborativas, a mudança de estratégia foi tomada antes de impactos a imagem da marca e antes de um executivo perder o seu emprego! Parabéns a Nestlé que soube utilizar bem a onda 2.0 da Internet. Inclusive comunicando em primeira mão às comunidades online sobre a volta do produto.

Lançamento do Google Chrome

Mais uma matéria em primeira mão no blog foi publicada na Folha de São Paulo!

O Google lançou o Chrome, o navegador de internet que vai concorrer diretamente com o Internet Explorer, da Microsoft. A disputa já começou e o Google ganhou terreno no Brasil. Apenas na estréia, o Chrome já é o terceiro navegador mais utilizado, conquistando 1,12% da preferência dos internautas brasileiros.
O Chrome ultrapassou o Safari, da Apple, que agora detém 0,81% do mercado brasileiro, e o Opera, que tem 0,20%. O Internet Explorer é líder, com 87,88%, seguido do Firefox, da Mozilla, com 9,98%.
É o que revela um levantamento que será divulgado hoje pela Predicta, empresa que monitora praticamente todos os acessos na internet brasileira.
Ao contrário do Internet Explorer, o Chrome utiliza uma plataforma de programação aberta.

Vejam mais detalhes sobre estes dados.

Esquenta briga de navegadores da Internet

Reproduzo abaixo matéria publicada sábado na coluna Mercado Aberto da Folha de São Paulo.

A guerra travada entre os concorrentes da Microsoft pelo mercado de navegadores da internet (programas que permitem aos internautas acessar a rede) ganhou um novo capítulo no Brasil. É o que mostra pesquisa da Predicta, que monitora acessos de brasileiros na rede.

Entre maio e julho de 2008, o acesso à web pelo Firefox, navegador da Mozilla, cresceu 36%, saindo de 6,1% de participação do mercado para 8,23%. Segundo os executivos da companhia, o país desponta como um dos principais em novos adeptos. Isso pôde ser comprovado com o lançamento do Firefox 3. Essa versão deixou o acesso aos sites mais rápido. Nesse período, o Firefox 3 entrou para o livro dos recorde

s por registrar o maior número de downloads (o programa para instalá-lo no computador é extraído da internet) em um único dia. Ao todo foram 28 milhões, sendo 598 mil baixados no Brasil.

Para Fred Pacheco, gerente de Business Intelligence da Predicta, os números fizeram a Microsoft antecipar o lançamento da nova versão do Internet Explorer para o fim do ano. No Brasil, a participação da empresa de Bill Gates caiu de 93% para 90,7% no período.

O dominio do Google

Acaba de ser publicada nos EUA a pesquisa mensal da comScore, apontando que de maio para junho o Google sofreu leve perda de terreno no segmento de buscas na web, beneficiando seus principais competidores: Yahoo! e Microsoft.

Lá nas terras do Tio Sam, o Google caiu de 61,8 por cento em maio para 61,5 por cento mês passado, enquanto o Yahoo ganhou 0,3 ponto chegando a 20,9 por cento em junho e a Microsoft saltou 0,7 ponto chegando a 9,2 por cento, segundo a comScore.

Aqui no Brasil, no entanto, dados da Predicta apontam que o Google teve crescimento no total de buscas que direcionaram os usuários aos maiores Portais do país, as custas dos seus principais concorrentes.

Na categoria notícias e esporte, por exemplo, o Google subiu de 89,1% para 90,8% das buscas, ao passo que o Yahoo! que em maio tinha 5,4% caiu 1,2 ponto percentual e a Microsoft que tinha 2,5% caiu 0,5 ponto percentual.

Já a soma dos principais buscadores nacionais (Terra, UOL e Globo.com) manteve-se estável com 2,8% das buscas em ambos os meses.

* nota: as busca no Cadê? contam para seu controlador Yahoo! e as buscas no iG contam para o motor do Google

Depois de ser publicado aqui, em primeira mão, acaba de sair em:

Quer navegar quanto?

Não é novidade que a Classe C ganha corpo na Internet brasileira e já se apresenta como boa oportunidade (vide campanhas online até de Casas Bahia). Mas, o Terra publicou uma recente pesquisa no Estadão mostrando que em algumas regiões isso não é uma tendência, é uma realidade!No entanto é importante lembrar que a pesquisa foi feita apenas em três regiões metropolitanas do Brasil (São Paulo, Recife e Porto Alegre), portanto não deve ser considerada com retrato da realidade de todo o país.

Highlights:

  • 49,4% dos jovens da classe C das três capitais possuem acesso à rede mundial em casa
  • não existem diferenças significativas entre classes, para o consumo de conteúdo, entretenimento e redes sociais
  • 77,2% dos jovens de classe C com internet residencial têm acesso de banda larga (+100 kbps)
  • a pesquisa apontou um temor maior da classe C em usar o cartão de crédito na internet do que nos consumidores de maior renda
  • o jovem de classe C acessa bastante a internet para fazer pesquisa de preços (49,2%)

Clique aqui para ver a matéria completa.